APRESENTAÇÃO

 

            A Categoria Profissional dos Engenheiros de Pesca do Brasil realizará conjuntamente com a Associação dos Engenheiros de Pesca do Estado do Maranhão - AEP-MA, Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil - FAEP-BR e Associação Brasileira de Engenharia de Pesca - ABEP, o “XIX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE PESCA”, no período de 04 a 08 de outubro de 2015, na cidade de São Luís, capital do Estado do Maranhão, tendo como Tema Principal “Engenharia de Pesca: Transformando os Recursos Aquáticos em Benefícios Para a Humanidade”.

            Paralelamente a esse evento será realizado o I Workshop de Avaliação de Estoques e Estatística Pesqueira, o II Workshop sobre Assistência e Extensão Pesqueira, o I Seminário de Desenvolvimento Tecnológico e Manejo do Caranguejo Uçá no Maranhão, o Encontro Nacional dos Diretores / Coordenadores dos Cursos de Engenharia de Pesca e a Expo CONBEP: Feira da Pesca e Aquicultura, que irá reunir as principais empresas e instituições envolvidas com o setor pesqueiro e aquícola do país, onde irão expor seus produtos e serviços.

            O Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca é sem sombra de dúvidas, o principal fórum nacional de intercâmbio técnico-científico da área. Contará com a participação da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil FAEP-BR, das Associações Estaduais dos Engenheiros de Pesca AEP’S, da Associação Brasileira de Engenharia de Pesca - ABEP, Instituições de Ensino, Pesquisa e Extensão, Órgãos Governamentais das esferas Federal, Estadual e Municipal, Pesquisadores, Professores, Pescadores, Aquicultores e Empresários da Cadeia Produtiva da Pesca e Aquicultura.

            Um evento dessa natureza e magnitude será realizado em São Luís, Capital do Estado do Maranhão, que teve sua origem em uma aldeia Tupinambá. Conquistada pelos franceses em 1612, comandados por Daniel de La Touche, construíram um forte e deram o nome de São Luís, em homenagem a Luís XIII, Rei de França. Fundada em 08 de setembro de 1612 na Ilha de Upaon- Açu (Ilha Grande) assim denominada pelos indígenas fica localizada em pleno Golfão Maranhense, à entrada da Baía de São Marcos, formada pelos estuários do Rio Anil e Bacanga. Apesar de ter sido habitada por franceses e holandeses, foi edificada sob o domínio português durante os séculos XVIII e XIV, sendo usado nas suas construções azulejos, vindos a maior parte de Portugal, para revestir as fachadas dos prédios, sendo por essa razão considerada ou conhecida como a “Cidade dos Azulejos”. Devido ao seu belíssimo estilo arquitetônico, em 06 de dezembro de 1997 a Organização das Nações Unidas Para a Ciência, Educação e Cultura-UNESCO concedeu à Cidade o Título de Patrimônio Cultural da Humanidade. Atualmente, os antigos solares dos barões abrigam espaços culturais, museus, lojas e restaurantes (que com riquíssima culinária servem alguns pratos típicos como: arroz de cuxá, arroz de marisco, caranguejo no tock-tock, peixada, camaroada ao leite de coco). A cidade também preserva culturas, tradições e representações folclóricas como O Bumba-Meu-Boi, Dança do Cacuriá, Tambor de Crioula e muitas outras, além do reggae, tão enraizado quanto o folclore, com o ritmo presente até hoje nas rádios, clubes e bares, conferiu a São Luís o título de "Jamaica Brasileira”. 

 


HISTÓRICO DOS CONGRESSOS BRASILEIROS DE ENGENHARIA DE PESCA

 

            Tradicionalmente eram realizados por iniciativa da Federação das Associações dos Engenheiros de Pesca do Brasil (FAEP-BR) e da Associação de Engenharia de Pesca do local onde o evento ocorre, entretanto a partir da edição de 2009 (XVI CONBEP), a organização científica do congresso passou a ser de responsabilidade da Associação Brasileira de Engenharia de Pesca - ABEP, que como instituição é promotora do desenvolvimento científico da Engenharia de Pesca no País. O XIX CONBEP, portanto, será o quarto a ser realizado sob os auspícios  da ABEP,  embora o evento já se encontre na sua 19ª edição consecutiva.

            Os CONBEP’s compõem-se tradicionalmente de palestras e conferências, muitas delas internacionais, mesas-redondas e cursos, dos quais participam cientistas, autoridades públicas e privadas e técnicos renomados do Brasil e do exterior. Atualmente mais de 1.500 trabalhos técnicos e científicos foram apresentados em forma de e artigos publicados em seus anais, comprovando a participação ativa dos profissionais ligados à grande área de Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca.

 

Tabela 1. Lista dos Congressos Brasileiros de Engenharia de Pesca realizados, desde 1979 até 2013.

Congresso
Local
Mês
Ano
I CONBEP
Brasília – DF
Julho
1979
II CONBEP
Recife – PE
Julho
1981
III CONBEP
Manaus – AM
Julho
1983
IV CONBEP
Curitiba – PR
Julho
1985
V CONBEP
Fortaleza – CE
Julho
1987
VI CONBEP
Teresina – PI
Junho
1989
VII CONBEP
Santos – SP
Junho
1991
VIII CONBEP
Aracaju – SE
Setembro
1993
IX CONBEP
São Luís – MA
Setembro
1995
X CONBEP
Guarapari – ES
Novembro
1997
XI CONBEP
Recife – PE
Outubro
1999
XII CONBEP
Foz do Iguaçu – PR
Setembro
2001
XIII CONBEP
Porto Seguro - BA
Outubro
2003
XIV CONBEP
Fortaleza – CE
Outubro
2005
XV CONBEP
Manaus – AM
Outubro
2007
XVI CONBEP
Natal – RN
Outubro
2009
XVII CONBEP
Belém – PA
Novembro
2011
XVIII CONBEP
Paulo Afonso - BA
Outubro
2013
 

XIX CONBEP/2015

Devido a sua  magnitude e importância  o XIX CONBEP deverá contar com a presença de aproximadamente de 1.200  a 1.500 participantes. O evento tem sido realizado a cada dois anos desde 1979. 

 

A PALAVRA DO PRESIDENTE DA FAEP-BR

De acordo com Elizeu de Brito, presidente da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca (FAEP-BR), atualmente o Brasil conta com aproximadamente cinco mil engenheiros de pesca. A profissão, vem merecendo destaque,  em especial pelo forte crescimento da aquicultura (cultivo de pescado), que  está em alta, segundo Elizeu de Brito. O ritmo é forte, inclusive, pelos diversos parques aquícolas que estão sendo implantados pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) em grandes reservatórios públicos. 

Para atender essa  demanda do mercado por estes profissionais,  já existem 22 cursos de engenharia de pesca em pleno funcionamento, capazes de ofertar 1.500 vagas por ano. Além dos cursos de graduação, há outros na área voltados para mestrado e doutorado. 

Nos próximos dois anos, adianta Elizeu Brito, devem ser implantados novos cursos nos estados do Rio Grande do Norte, Paraná, Amazonas e Tocantins.

Além de profissionais na área, recorda, a aquicultura demanda e aquece os mercados de fabricação de gaiolas (tanques-rede) e ração, entre outros produtos.

Ministério da Pesca e Aquicultura, Publicado em Quinta, 29 Maio 2014 - 17:11



Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!